Suaveolens

Este blog foi criado por um cearense apaixonado por plantas medicinais e por sua terra natal. O título Suaveolens é uma homenagem a Hyptis suaveolens uma planta medicinal e cheirosa chamada Bamburral no Ceará, e Hortelã do Mato em Brasília. Consultora Técnica: VANESSA DA SILVA MATTOS

Minha foto
Nome:
Local: Brasília, Distrito Federal, Brazil

Cearense, nascido em Fortaleza, no Ceará. Criado em Ipueiras, no mesmo estado até os oito anos. Foi universitário de agronomia em Fortaleza e em Recife. Formou-se em Pernambuco, na Universidade Rural. Obteve o título de Mestre em Microbiologia dos Solos pelo Instituto de Micologia da Universidade Federal de Pernambuco. Também obteve o Mestrado e o Doutorado em Fitopatologia pela Universidade de Brasília. Atualmente é pesquisador colaborador da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da Universidade de Brasília.

2.7.17

NOSSOS 50 ANOS DE AGRONOMIA - A CARTA DE CARLOS ALBERTO TAVARES

Olá, amigos da JEPEA.
Leiam essa preciosidade escrita por Carlos Alberto. Tenhamos um Ano Novo com predominância da paz e da harmonia entre as pessoas. Um grande abraço, João Pedro. 


Em 26 de dez de 2016 11:28, "Carlos Alberto Tavares" <carlostavares19@yahoo.com.br> escreveu:
Prezado João ,diretores da JEPEA e a todos os amigos que participaram da nossa confraternização no ENOTEL

Decidí escrever o pouco que presenciei nos dias 9, 10 e 11/12/16 em nosso Encontro de confraternização pelos 50 anos de formatura, 1986-2016.
Desejo compartilhar com todos que participaram, com as respectivas esposas e famílias, as emoções que sentí durante o nosso Encontro.
É evidente que não posso expressar todos os sentimentos que se manifestaram em nossas mentes, mas somente aqueles que pude observar. Passo a relatar o que percebí nos gestos e olhares de todos .
Na partida para o ENOTEL, no parque da Jaqueira, às 13;30 do dia 9/12, ao ingressar no ônibus, pude observar na fisionomia dos que lá estavam, a ansiedade provocada pelo reencontro. O impacto ficou evidente nos olhares de todos, inclusive das esposas. Durante a viajem, percebí que alguns conversaram, mas ainda limitados pelo espaço do ônibus.
Na parada em Boa Viagem, subiram no ônibus Elton e Jean Kleber, com as esposas. A descontração foi maior e as conversas evoluíram. Na chegada ao hotel, durante o check-in, as reações forma estimulantes. Moacir já nos aguardava, assim como os três amigos vindos de Maceió, com as respectivas esposas, ou seja, Moura, Wellington e Lisboa. Iniciavam-se as emoções observadas nas conversas. Na própria recepção, com os esclarecimentos prestados por Clarissa, da CT Viagens, fomos para os apartamentos. Lembro que ajudamos Gileno na abertura da porta do apartamento, o que foi importante como momento de descontração
Na apresentação, após orientação da programação para os dias 9,10 e 11, Falaram na ocasião, o principal líder da JEPEA, João Pedro, evidenciando a sua liderança no seu extraordinário esforço na mobilização dos colegas para a participação em nosso Encontro. A seguir, falou Moacir demonstrando a sua elegância , simplicidade e competência , como dirigente da JEPEA, no relacionamento com todos os colegas da turma. A seguir, falaram Roberto e Vicente, ambos evidenciando suas emoções pela satisfação em participarem do Encontro, com mensagens que nos emocionaram. Não posso descrever as emoções sentidas por todos na ocasião, e de suas esposas, mas como pude constatar, conversando com Carmen Lúcia, minha esposa, acredito que sentiram, na alma, o significado e o impacto de uma convivência de quatro anos durante o curso de Agronomia (1963/66).
Mas, ao longo desses 50 anos, alguns Encontros marcantes foram realizados: Em 1986 ( 20 anos), do qual não pude participar por motivo que todos conhecem; Em 1996 (30 anos), nos reunimos na granja de Elton e Iracema, magníficos anfitriões. Ao longo desses longos anos, inúmeros outros Encontros foram realizados , organizados pela iniciativa dos Diretores da JEPEA, com a participação de um menor número de colegas. No último desses Encontros, durante almoço em restaurante do Espinheiro, tivemos a grande emoção de receber a visita de nosso amigo Lúcio, que soube disfarçar, com sua inteligência emocional, a sua despedida , pela grave doença que o acometia. Pouco tempo tempo depois, Lúcio partiu para a pátria celestial, onde nos aguarda, com os demais colegas que lá estão, para uma grande confraternização, em Encontro que será inesquecível para todos. O que nos cabe, no entanto, é aguardar, com fé, esse magnífico Encontro na vida eterna. Portanto, precisamos acreditar que a JEPEA continua bem viva na alma de todos nós, inclusive dos que já partiram para a pátria celestial.
Passo a descrever algumas emoções que nos contagiaram durante nosso Encontro:

1. Palavras de João Pedro relatando o seu trabalho de articulação com os colegas. Que o diga Jean Kleber, que se deslocou de Brasília, com sua esposa Heloísa, para participar do nosso Encontro;

2. Presença de Moura , Lisboa e Wellington, que se deslocaram de Maceió para participar do Encontro. Imagino o que sentiram quando presenciaram a alegria e os sentimentos manifestados durante o Encontro;

3. Show de Vicente ao cantar a música "Emoções" no bar do Hotel, contagiando todos os presentes, inclusive os formandos de Medicina que comemoravam 45 anos de formatura;

4. Elton, em sua discrição com máquina fotográfica a tiracolo, registrando detalhes do Encontro, inclusive com um acervo significativo de fotos mostrando a todos o valor da memória da turma causando grande emoção nos que tiveram a oportunidade de curtir momentos históricos de nossa convivência durante o curso. Acredito que todos reconhecem essa estratégia dos Diretores da JEPEA em distribuir atribuições entre os membros da Diretoria, inclusive os que trabalharam em silêncio, como Mauro;

5. Palavras de Amaro que comoveram pela situação crítica de sua saúde que vivenciou com coragem , perseverança e vontade de viver, que é algo de extraordinário nas pessoas que sabem trabalhar a mente como fonte de energia para cura de doenças;

6. Mensagem de Neritônio sobre a verdade de se acreditar na vida eterna, que é fundamental para mantermos o nosso equilíbrio pessoal e profissional. Acredito mesmo que este valor de vida contribui significativamente para vencermos o estresse do cotidiano que vivenciamos;

7. As palavras de Moura que demonstraram a sua autenticidade como ser humano resiliente ao encarar as dificuldades que todos nós enfrentamos durante nossa vidas;

8. O convite de Lisboa para visitarmos Alagoas o mais breve possível, em especial o seu Engenho e a praia de São José dos Milagres;

9. O gesto de Wellington ao se despedir ingressando no ônibus e desejando um ótimo NATAL antes de partir para Maceió com Moura e esposas;

10. O gesto de Luiz Henrique, com sua maneira de ser em nosso Encontro, trazer na saída do ônibus, uma caixa de uvas de sua terra Petrolina. Esta sua atitude foi uma demonstração de sua aguçada sensibilidade exteriorizando sua emoção em participar de nosso Encontro.

Não pude ouvir o que todos, com suas esposas, conversaram durante o café, almoço e jantar em pequenos grupos no restaurante, interagindo em conversas, as vezes, "sigilosas", mas com significados inefáveis, mas extremamente relevantes.

Gostaria mesmo de ouvir, de viva voz, o que as mulheres presentes sentiram nesse Encontro. Espero que, no próximo, possamos compartilhar , de forma mais abrangente, os sentimentos que afloraram em todos. Uma prova desses tipos de sentimentos foram manifestadas nos e-mails que Manoel Galvão enviou após o Encontro para todos nós. Foi um exemplo de que podemos continuar interagindo via internet.

Quanto a mim, posso afirmar que , algumas vezes, cheguei a soluçar pela emoções que sentí nesses três dias de convivência. Mas, tenho uma última palavra a dizer: Acreditem que os nossos amigos que já partiram para a pátria celestial presenciaram o nosso Encontro.

Concluo afirmando que estou consciente que não pude perceber a riqueza de todas as conversas, mas que foram riquíssimas em detalhes. Sim, nosso Encontro valeu a pena como experiência de vida, graças a João Pedro, Moacir e Elton, diretores eternos da JEPEA,

Um grande abraço,

Carlos Alberto  Tavares.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial