Suaveolens

Este blog foi criado por um cearense apaixonado por plantas medicinais e por sua terra natal. O título Suaveolens é uma homenagem a Hyptis suaveolens uma planta medicinal e cheirosa chamada Bamburral no Ceará, e Hortelã do Mato em Brasília. Consultora Técnica: VANESSA DA SILVA MATTOS

Minha foto
Nome:
Local: Brasília, Distrito Federal, Brazil

Cearense, nascido em Fortaleza, no Ceará. Criado em Ipueiras, no mesmo estado até os oito anos. Foi universitário de agronomia em Fortaleza e em Recife. Formou-se em Pernambuco, na Universidade Rural. Obteve o título de Mestre em Microbiologia dos Solos pelo Instituto de Micologia da Universidade Federal de Pernambuco. Também obteve o Mestrado e o Doutorado em Fitopatologia pela Universidade de Brasília. Atualmente é pesquisador colaborador da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da Universidade de Brasília.

18.2.18

BESTEIROL


BESTEIROL
 
Por Dalinha Catunda

*Já trepei na cumeeira
De lá espiei o chão
E na hora de coisar

Dispensei o meu colchão
Eu gosto duma zoeira
Mas nunca fui Zé Limeira
Pois é muita pretensão.
*
Eu já briguei com diabo
Fiz as pazes com Jesus
Com medo do satanás
Eu fiz o Sinal da Cruz
Lá no confessionário
Levei pro senhor vigário
Prato e meio de cuscuz.
*
Eu parti a rapadura
Dela fiz pé-de-moleque
Acabei na sepultura
Meu carro perdeu o breque
Num dia de pouco vento
Eu me escanchei num jumento
E me abanei com um leque.
*
Não tenho medo de arame
Não sendo ele farpado
Pulei cerca de faxina
Pra ver um cabra safado
Quando ele deitou no chão
Esbarrou num cansanção
E brochou lá no cercado.
*
A lua nasceu bonita
Por detrás lá do serrote
Eu sei que você tem sede
Mas eu vou quebrar o pote
Eu gosto de cobra cega
A que enxerga não me pega
Porque só come caçote.
*
Quando a seca sapecava
O povo do meu sertão
Eles vinham pra São Paulo
Em busca de salvação
Agora a coisa mudou
São Paulo também secou
Quem me disse foi São João.
*
Perereca saltitante
Só cai em boca de cobra
Cobra atrás de perereca
De tamanho ela dobra
Na bunda de cangaceiro
Vira o maior salseiro
Um juiz assina a obra.
*
Estes versos sem sentido
Pra fazer tive razão
Já estou de saco cheio
Só se fala em ladrão
O povo besta brigando
E o político tentando
Se firmar na profissão.
*
 


Maria de Lourdes Aragão Catunda – Poetisa, Escritora e Cordelista. Nascida e criada em Ipueiras-CE, conhecida popularmente como Dalinha Catunda, vive atualmente no Rio de Janeiro. Publica nos jornais "Diário do Nordeste" e "O Povo", nas revistas "Cidade Universidade" e "Municípios" e nos blogs: Primeira Coluna, Ipueiras e Ethos-Paidéia. É membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel. É co-gestora convidada do blog Suaveolens, além de ter blog próprio: (cantinhodadalinha.blogspot).
 



14.2.18

MEMORÁVEIS CARNAVAIS




MEMORÁVEIS CARNAVAIS

Por Dalinha Catunda

Ipueiras nos bons tempos viveu, memoráveis carnavais. Carnavais esses, que eram prestigiados por uma sociedade festeira e bem participante.
*
Figuras renomadas, como: Seu Camaral e Simão Matos, ficaram eternizados na lembrança dos ipueirenses que durante muitos anos foram testemunhas das peraltices desses dois distintos foliões, nos carnavais de salão.
*
Ao primeiro: tam... tam, tam, tam, tam... tam, tam, tam....Estavam lá os dois, seu Camaral, animado feito criança, puxando seus incansáveis cordões. E, Simãozinho dançando uma dança bem singular inventada por ele mesmo. Era a dança da cobrinha. Quem não ouviu Simão falar dessa dança? Nós, meninas-moças, vestidas de havaianas com colares coloridos e roupas estampadas. Ou, fantasiadas de gregas. Vestido de laquê preto, um lado maior do que o outro, com alça apenas de um lado. Algumas se vestiam de índia , outras improvisavam fantasia e assim se apresentava a juventude sadia dos velhos tempos nos alegres bailes de carnaval na cidade de Ipueiras.
*
Nas tardes que antecediam os bailes carnavalescos, os rapazes começavam a beber cedo e improvisavam um carnaval de rua. Onde Maisena, araruta, talco e água, eram jogados nas pessoas que passavam, num autêntico mela-mela com direito a ovo e tudo. Num penico zerado, eles colocavam cerveja e lingüiças e saiam bebendo e tirando o gosto rua à cima e rua a baixo, numa animação que contagiava a população da cidade que aos poucos ia se juntando aos foliões. Nesse time, Vavá, Moraisinho, Antônio Manoel, encabeçavam o bloco.
*
José Arimatéa Catunda, nosso Dedé, quebrava a rotina da Rádio Vale do Jatobá tocando marchinhas típicas de carnaval, como: Me da um dinheiro aí, Taí, Você pensa que cachaça é água, Bandeira Branca, Picolé de Cachaça e tantas outras, que agora me fogem a memória.
*
A cidade inteira entrava no clima, até vesperal para a criançada existia e era animada. Os adultos levavam as crianças e já aproveitavam para esquentar os motores para noite.
*
Sinto saudades dos antigos carnavais. Da animação, das marchinhas, das fantasias, dos blocos e do grande encontro social que nos oferecia o Carnaval de salão. Esse tipo de carnaval em Ipueiras, infelizmente, está morto e sepultado.
*
Um hábito antigo, conserva a cidade, na quarta feira após o carnaval, grande parte da população, que é católica, continua indo a igreja para receber cinzas.
*
Hoje, não só em Ipueiras, como em todo Brasil, a grande pedida, são os trios elétricos, que arrastam multidões com sua musica baiana, sufocando assim, as velhas e graciosas marchinhas e a beleza do frevo, e por que não dizer, enterrando de vez a beleza dos antigos Carnavais.



Maria de Lourdes Aragão Catunda – Poetisa, Escritora e Cordelista. Nascida e criada em Ipueiras-CE, conhecida popularmente como Dalinha Catunda, vive atualmente no Rio de Janeiro. Publica nos jornais "Diário do Nordeste" e "O Povo", nas revistas "Cidade Universidade" e "Municípios" e nos blogs: Primeira Coluna, Ipueiras e Ethos-Paidéia. É membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel. É co-gestora convidada do blog Suaveolens, além de ter blog próprio: (cantinhodadalinha.blogspot).


14.12.17

POVO FELIZ


“...POVO FELIZ”
Versos de Dalinha Catunda
Charge: SPONHOLZ – JORNAL DA BESTA FUBANA
*
Nessa terra de políticos,
Que prezam nosso torrão
Que nunca lesaram a pátria 
Que nunca foram ladrão
Eu aplaudo o eleitor
Que defende com ardor
Os santos desta nação.
*
A justiça é mesmo cega
Muito mais que eu supunha
Prender o pobre Cabral
O santo Eduardo Cunha
O Garotinho e Rosinha 
Casal que não sai da linha
E nunca foi de mumunha.
*
Confesso que não suporto
Ver tanta judiação
Tanto político preso
E só por perseguição
Nesse Rio de Janeiro
Calou-se o padroeiro
Que é São Sebastião.
*
Sempre foi pura invenção
Essa história de propina
Caixas cheias de dinheiro
Só se fosse numa mina
Na meia e na cueca
Só se fosse uma merreca
É acusação cretina.
*
Uma mala não é nada
Não vale a pena Temer
O homem foi vice de Dilma
Por isso está no poder
Não vamos caluniar
Quem nunca foi de roubar
Nem fez o povo sofrer.
*
O pior de tudo isso
Que me corta o coração
É denunciarem Lula
E chama-lo de Ladrão
Mas pelo seu argumento
Anda montado em jumento 
Não tem no banco um tostão.
*
Porém suas amizades
Com boa situação
Apoiaram o probo Lula
E lhe deram condição
De governar o país
Mas um juiz infeliz
Botou todos na prisão.
*
Lula é cara arrojado
Que só pensa no futuro
Para lutar ao seu lado
Ele chamou bem seguro
Mulheres empoderadas
Todas bem engajadas
Mulheres de grelho duro.
*
Por isso eleitor engajado
Vamos botar pra quebrar
Desabonar a justiça
Com juiz esculhambar
Não deixar ex-presidente
Este Santo inocente
A justiça o engaiolar.
*
Vamos logo prender Bretas
E Sergio Moro também
Dallagnol e outros mais
E quem tentar ir além
Vamos colocar pressão
Porque temos eleição
E é no ano que vem.
*
Vamos constranger na rua
A globo e seus jornalistas
Embora todos saibam
Vocês não são anarquistas
Creem num homem de luz
Que se compara a Jesus
Icem bandeiras nas pistas!
*
E vamos desabonar 
A polícia Federal
Fazer a mesma coisa
Com o Supremo tribunal
Soltar os caluniados
Para sermos comandados
Por um novo tribunal.
*
É hora de preparar
A Arca da Salvação
Se é com fogo ou com água
Certeza não tenho não
Não é só pressentimento
Eu vejo a cada momento
Sinais de destruição.
*


Maria de Lourdes Aragão Catunda – Poetisa, Escritora e Cordelista. Nascida e criada em Ipueiras-CE, conhecida popularmente como Dalinha Catunda, vive atualmente no Rio de Janeiro. Publica nos jornais "Diário do Nordeste" e "O Povo", nas revistas "Cidade Universidade" e "Municípios" e nos blogs: Primeira Coluna, Ipueiras e Ethos-Paidéia. É membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel. É co-gestora convidada do blog Suaveolens, além de ter blog próprio: (cantinhodadalinha.blogspot).

2.11.17

CRUZ NA BEIRA DA ESTRADA


CRUZ NA BEIRA DA ESTRADA
Por
Dalinha Catunda


Cada vez que eu atravesso,
Estradas do meu sertão.
No transcorrer da viagem
Dispara meu coração
Cada lado da estrada
Tem tanta cruz enfeitada 
Que causa até comoção.
*
Por detrás de cada cruz
Uma história singular
Um filho que sai de casa
Para nunca mais voltar
Com o coração ferido
Por ter o filho perdido
Tem mãe na cruz a chorar
*
A causa maior se sabe,
É o consumo de bebida.
Jovens inconseqüentes,
Em disparada corrida.
E cada cruz na estrada,
É uma vida roubada
Antecipada e perdida.
*
A cruz na beira da estrada,
No Nordeste é tradição
Tanto se vê no asfalto
Como na estrada de chão
Ela marca o desatino
Marca o trágico destino
Vira lenda no sertão.
*
Fotos e versos de Dalinha Catunda

Maria de Lourdes Aragão Catunda – Poetisa, Escritora e Cordelista. Nascida e criada em Ipueiras-CE, conhecida popularmente como Dalinha Catunda, vive atualmente no Rio de Janeiro. Publica nos jornais "Diário do Nordeste" e "O Povo", nas revistas "Cidade Universidade" e "Municípios" e nos blogs: Primeira Coluna, Ipueiras e Ethos-Paidéia. É membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel. É co-gestora convidada do blog Suaveolens, além de ter blog próprio: (cantinhodadalinha.blogspot).

17.9.17

O ADEUS DE NEUILLY E NEUMA, DOIS ANJOS CEARENSES

Jean Kleber Mattos
Uma esquina da rua J. da Penha

Fortaleza Ceará, idos dos anos sessenta, século vinte. Mudamos para a rua J. da Penha em 1960, se bem me lembro. Eu completara recentemente 16 anos. Era uma rua um tanto acanhada em comparação com a que morávamos antes, a Avenida Heráclito Graça. Eu já conhecia alguns habitantes de lá, pois éramos colegas da Congregação Mariana da Igreja do Cristo Rei que ficava numa praça, há alguns poucos quarteirões de distância. Alguns eram meus colegas do Colégio São João que funcionava não muito longe dali.

Aos poucos fui me enturmando e me extasiando com a beleza das meninas daquela comunidade. Uma delas encantava a todos de modo especial por sua beleza e simpatia. Chamava-se Neuma. Era namorada de um colega meu de colégio, o Marcos. Casal constante, todos diziam que se casariam em futuro próximo.

Neuma tinha uma irmã, a primogênita de nome complicado. Chamava-se Neuilly. Eram filhas de um conceituado médico, Dr. Macambira.

Foi a primeira família de nossa quadra a comprar aparelho de televisão. Todas as noites íamos ver televisão na casa de Dr. Macambira. Cerca de doze adolescentes. Ocupávamos a sala de visitas sentados em cadeiras individuais e de lá saímos depois da novela das dez. A família nos acolhia com carinho, especialmente Neuma e Neuilly.

Depois da programação da TV sentávamos no meio fio da calçada para conter casos e piadas durante algum tempo, não muito, pois as famílias, vigilantes, chamavam as moças para dormir.

Ingresso na universidade, encantei-me com as ideias revolucionárias que galvanizavam os jovens na época, plena vigência da guerra fria Ocidente x Oriente. Assunto que parecia não interessar às minhas amigas Neuma e Neuilly. Percebi muito mais tarde que tal se devia à sua natureza universalista. Elas não se interessavam por matérias que dividiam os humanos.

Nossos encontros foram escasseando. Eu estava me enturmando novamente, alhures...

Fui embora do Ceará em seguida, em janeiro de 1965, transferido, para me formar em agronomia em Recife em 1966.

Quarenta e três anos depois via Facebook, por intermédio de uma amiga comum, Olga, reencontrei Neuma e Neuilly. Olga fora colega de ensino fundamental das duas, no Instituto Monsenhor Luiz Rocha, que tinha sede na mesma rua J. da Penha.

Aspecto de um dos encontros: à esquerda Olga e na extrema direita Neuma, ao lado da irmã Neuilly. Ao centro, Vanessa, Heloísa e Jean.

O tempo parecia não ter passado para elas. A mesma beleza e doçura. A partir de então, sempre que eu ia a Fortaleza com minha família, nos reuníamos. Momentos de grande felicidade.

Mas a vida é, às vezes, cruel. Em 2015 perdemos Neuilly, o que muito nos traumatizou. Restava a Neuma, como mais uma referência daqueles bons tempos, além da Olga. Imaginei que o próximo encontro seria apenas com Olga e Neuma. Não deu tempo. Ontem faleceu a Neuma.

Nessa quadra de minha vida (tenho 73 anos), as noticias de desencarnes de amigos surgem com uma frequência assustadora.


Aspecto do encontro mais recente. Sentadas, Neuilly, Neuma e Olga. Em pé Jean, Heloísa e Ivan


Resta-nos recordar os bons momentos e, pelo menos no que me toca, pois sou espírita, esperar o reencontro.

Como elas estão no Céu, caso eu não tenha tal merecimento quando chegar a minha hora, estou certo que elas serão boas advogadas em meu favor, bondosas que sempre foram...

***

5.7.17

ÉGUA!!!! QUE FRIO!!!

(Foto do acervo da poetisa)


ÉGUA!!!! QUE FRIO!!!

Por 

Dalinha Catunda

*
Eu que sou filha do sol
Amo o calor do sertão
Me vejo toda embrulhada
Com frio nesta estação
Chego até sentir tremor
Debaixo do cobertor
Que não resolve a questão.
*
Boto meia boto toca
E pijama de flanela
Tranco meu apartamento
Fechando porta e janela
E antes de me deitar
Faço chá para tomar
O de maçã com canela.
*
Na hora de tomar banho
Eu só tomo banho quente
Antes de entrar no chuveiro
Eu já vou batendo dente
Se esse frio não passar
Pro meu sertão vou voltar
Não tem diabo que aguente.
*



Maria de Lourdes Aragão Catunda – Poetisa, Escritora e Cordelista. Nascida e criada em Ipueiras-CE, conhecida popularmente como Dalinha Catunda, vive atualmente no Rio de Janeiro. Publica nos jornais "Diário do Nordeste" e "O Povo", nas revistas "Cidade Universidade" e "Municípios" e nos blogs: Primeira Coluna, Ipueiras e Ethos-Paidéia. É membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel. É co-gestora convidada do blog Suaveolens, além de ter blog próprio: (cantinhodadalinha.blogspot).

3.7.17

MILITAR É INCOMPETENTE DEMAIS Arnaldo Jabor

MILITAR É INCOMPETENTE DEMAIS
Arnaldo Jabor

Militar é incompetente demais!!!
Militares, nunca mais!
Ainda bem que hoje tudo é diferente, temos um Pais sério, honesto e progressista. Cresce o grupo que não quer mais ver militares no poder, pelas razões abaixo.
Militar no poder, nunca mais. Só fizeram lambanças. Tiraram o cenário bucólico que havia na Via Dutra de uma só pista, que foi duplicada e recebeu melhorias; acabaram aí com as emoções das curvas mal construídas e os solavancos estimulantes provocados pelos buracos na pista.
Não satisfeitos, fizeram o mesmo com a rodovia Rio-Juiz de Fora.
Com a construção da ponte Rio-Niterói, acabaram com o sonho de crescimento da pequena Magé, cidade nos fundos da Baía de Guanabara, que era caminho obrigatório dos que iam de um lado ao outro e não queriam sofrer na espera da barcaça que levava meia dúzia de carros.
Criaram esse maldito do Proálcool, com o medo infundado de que o petróleo vai acabar um dia.
Para apressar logo o fim do chamado "ouro negro", deram um impulso gigantesco à Petrobras, que passou a extrair petróleo 10 vezes mais (de 75 mil barris diários, passou a produzir 750 mil); sem contar o fedor de bêbado que os carros passaram a ter com o uso do álcool.
Enfiaram o Brasil numa disputa estressante, levando-o da posição de 45ª economia do mundo para a posição de 8ª, trazendo com isso uma nociva onda de inveja mundial.
Tiraram o sossego da vida ociosa de 13 milhões de brasileiros, que, com a gigantesca oferta de emprego, ficaram sem a desculpa do "estou desempregado".
Em 1971, no governo militar, o Brasil alcançou a posição de segundo maior construtor de navios no mundo. Uma desgraça completa.
Com gigantesca oferta de empregos, baixaram consideravelmente os índices de roubos e assaltos. Sem aquela emoção de estar na iminência de sofrer um assalto, os nossos passeios perderem completamente a graça.
Alteraram profundamente a topografia do território brasileiro com a construção de hidrelétricas gigantescas (Tucuruí, Ilha Solteira, Jupiá e Itaipu), o que obrigou as nossas crianças a aprenderem sobre essas bobagens de nomes esquisitos...
O Brasil, que antes vivia o romantismo do jantar à luz de velas ou de lamparinas, teve que tolerar a instalação de milhares de torres de alta tensão espalhadas pelo seu território, para levar energia elétrica a quem nunca precisou disso.
Implementaram os metrôs de São Paulo, Rio, Belo Horizonte, Recife e Fortaleza, deixando tudo pronto para atazanar a vida dos cidadãos e o trânsito nestas cidades.
Esses militares baniram do Brasil pessoas bem intencionadas, que queriam implantar aqui um regime político que fazia a felicidade dos russos, cubanos e chineses, em cujos países as pessoas se reuniam em fila nas ruas apenas para bater-papo, e ninguém pensava em sair a passeio para nenhum outro país.
Foram demasiadamente rigorosos com os simpatizantes daqueles regimes, só porque soltaram uma "bombinha de São João" no aeroporto de Guararapes, onde alguns inocentes morreram de susto apenas.
Os militares são muito estressados. Fazem tempestade em copo d'água só por causa de alguns assaltos a bancos, sequestros de diplomatas.... ninharias que qualquer delegado de polícia resolve.
Tiraram-nos o interesse pela Política, vez que os deputados e senadores daquela época não nos brindavam com esses deliciosos escândalos que fazem a alegria da gente hoje.
Os de hoje é que são bons e honestos. Cadê os Impostos de hoje, isto eles não fizeram!
Para piorar a coisa, ainda criaram o MOBRAL, que ensinou milhões a ler e escrever, aumentando mais ainda o poder desses empregados contra os seus patrões.
Nem o homem do campo escapou, porque criaram para ele o FUNRURAL, tirando do pobre coitado a doce preocupação que ele tinha com o seu futuro. Era tão bom imaginar-se velhinho, pedindo esmolas para sobreviver.
Outras desgraças criadas pelos militares: Trouxeram a TV a cores para as nossas casas, pelas mãos e burrice de um Oficial do Exército, formado pelo Instituto Militar de Engenharia, que inventou o sistema PAL-M. Criaram ainda a EMBRATEL; TELEBRÁS; ANGRA I e II; INPS, IAPAS, DATAPREV, LBA, FUNABEM.
Tudo isso e muito mais os militares fizeram em 22 anos de governo. Pensa!!!
Depois que entregaram o governo aos civis, estes, nos vinte anos seguintes, não fizeram nem 10% dos estragos que os militares fizeram.
Graças a Deus!!!
Ainda bem que os militares não continuaram no poder!!!
Tem muito mais coisas horrorosas que eles, os militares, criaram, mas o que está escrito acima é o bastante para dizermos: "Militar no poder, nunca mais!!!", exceto os domesticados.
Ainda bem que hoje estão assumindo o poder pessoas compromissadas com os interesses do Povo.
Militares jamais! Os políticos de hoje pensam apenas em ajudar as pessoas e foram injustamente prejudicadas quando enfrentavam os militares com armas às escondidas com bandeiras de socialismo.
Os países socialistas são exemplos a todos.
ALÉM DISSO, NENHUM DESSES MILITARES CONSEGUIU FICAR RICO.
Arnaldo Jabor.